A história nos animes: Oda Nobunaga.

YOOOO MINNA! Bem-vindos ao primeiro (assim espero) “A história nos animes”. Nessa série de postagens pretendo falar um pouco com vocês sobre personagens ou períodos históricos que vemos serem retratados nos animes (e claro que isso inclui um certo samurai com uma cicatriz em X, em algum ponto futuro) tratando um pouco sobre a história real e sobre como ela se encontra dentro dos animes. E para começarmos, por que não falar de um dos mais famosos personagens da história do Japão? Senhoras e senhores, com vocês, o auto-intitulado rei demônio do 6° céu, o primeiro grande unificador…. ODA NOBUNAGA!

 

Nota da Steph, revisora do texto: a postagem ficou grandona, super interessante, com muito conteúdo e uma linguagem simples. Vale muito a pena ler até o final!

Oda Nobunaga

pintura de Oda Nobunaga.

 

Oda Nobunaga nasceu em 23 de junho de 1534, no castelo de Nagoya. Os relatos sobre a infância de Nobunaga o descrevem como um jovem rapaz muito ativo e com um comportamento um tanto… excêntrico, agindo de maneira como se sua descendência de alta classe pouco importasse. Em 1551, o pai de Nobunaga, Nobuhide, o Daimyo (lorde feudal) da região morre de maneira inesperada, colocando o futuro do clã Ode em incertezas. Segundo a prática feudal, Nobunaga seria seu sucessor, mas o comportamento considerado excêntrico do jovem governante faz com quem o clã se divida em várias facções, com algumas o apoiando, outras a seu irmão e outras a figuras de poder local não que não pertenciam à linhagem principal.

Somente após afirmar seu poder como lorde local, firmando alianças com outros clãs próximos e lidando com figuras rebeldes, Nobunaga reunifica o clã Oda sob sua bandeira. Assim, em 1560, ele é um lorde conhecido tanto politicamente como militarmente, tendo sua fama militar aumentada com o sucesso da batalha de Okehazama, onde o jovem lorde rechaça a invasão do clã Imagawa, anteriormente um aliado. A batalha de Okehazama colocará o nome de Nobunaga na história militar do Japão, pois ele derrota uma tropa de 25 mil homens com uma tropa de pouco mais de 3 mil ao realizar um ataque surpresa ao acampamento dos Imagawa.

A façanha de Nobunaga é tão grande que o clã Matsudaira (futuramente renomeado para clã Tokugawa), que era aliado dos Imagawa, resolve deixar as hostilidades de lado e se alia ao clã Oda. Em 1561, Tatsuoki Saito assume o controle do clã Saito após a morte de seu pai e demonstra não ser o governante que todos esperavam: um homem forte como seu pai. Várias de suas ações deixaram outros Daimyos que eram seus vassalos descontentes. Nobunaga se aproveita disso e inicia uma campanha militar de invasão à província de Mino, terra que o clã Saito governava, e uma campanha política, firmando alianças com os Daimyos descontentes e diminuindo o poder e influência de Tatsuoki. Após 6 anos de batalhas, o clã Oda subjuga o clã Saito.

Com a Conquista de Mino, o prestígio de Nobunaga vai às alturas: agora ele se torna um dos Daimyos mais conhecidos do Japão, tanto que Ashikaga Yoshiaki busca sua ajuda para que possa assumir o posto de Shogun. Yoshiaki é irmão do antigo Shogun que foi assassinado e diz que o atual é apenas um fantoche do clã Miyoshi e que precisa da ajuda do clã Oda para vingar seu irmão. Nobunaga atende o pedido, mas claro que não por bondade: para ele, é interessante ter um Shogun que possa utilizar como fantoche, assim como o clã Miyoshi fazia. Então ele marcha até Kyoto (capital do Japão na época), eliminando qualquer clã que se opusesse a ele no caminho, como o Rokkaku, por exemplo. No entanto, o Yoshiaki não gostava muito da ideia de ser um fantoche nas mãos de Nobunaga. Para lutar contra isso, ele entra em contato secretamente com vários clãs e cria uma aliança contra Nobunaga.

Essa guerra que logo vai estourar possui os clãs Azai, Asakura e Takeda, que eram os principais clãs dessa aliança, enquanto Nobunaga conta apenas com a ajuda de Tokugawa e seu clã, que foram vitais na batalha de Anegawa contra as tropas Azai-Asakura. A guerra entre as duas alianças foi longa e custosa para ambos os lados. Os clãs Azai e Asakura foram derrotados, e o Takeda era, até o momento, a única força capaz de fazer frente ao clã Oda. Isso se dava, basicamente, por conta de Takeda Shingen, tanto que após sua morte a força do clã diminuiu drasticamente, abrindo espaço para que Nobunaga acuasse suas forças e se concentrasse em outras frentes, até que Takeda Katsuyori assume o posto de líder do clã e leva seu exército até Nagashino, onde em 1574 eles vão ser massacrados pelas forças de Oda, que utilizavam armas de fogo, que Nobunaga tanto admirava.

A batalha de Nagashino é uma das mais famosas campanhas de Nobunaga, pois utilizando toda a sua capacidade como estrategista e armas de fogo, que na época não eram muito populares, ele derrota a cavalaria de 4 mil homens do clã Takeda, que era considerada a melhor do Japão. Com isso a ascensão política de Nobunaga também aconteceu: ele foi nomeado Ministro da Direita, a terceira mais alta colocação dentro da Corte Imperial.

Com essa ascensão, o único outro Daimyo capaz de fazer frente a Nobunaga desde a morte de Shingen, Uesugi Kenshin, entra em ação: lidera seu clã contra a forças de Oda, e até a derrota na Batalha de Tedorigawa. No entanto, por um golpe do destino, Kenshin morre enquanto se preparava para marchar em direção a Kyoto. Sem um líder forte, o clã Uesugi logo é subjugado por Nobunaga. Com isso, em 1580, Nobunaga está no auge do seu poder. Apenas alguns remanescentes do clã Takeda se opõem a ele, sitiados dentro de seu castelo, em um cerco que já dura 11 anos.

Tudo parecia estar nos planos de Nobunaga. Existiam poucos territórios a serem conquistados ainda, e basicamente mais nenhum Daimyo poderia fazer frente a ele. No entanto, sua a vida acaba antes dele poder realmente unificar todo o Japão. Enquanto descansava no templo Honno e se preparava para sua próxima campanha, um de seus principais generais, Akechi Mitsuhide, assassinou a Nobunaga e seu filho, Nobutada. A traição ficou conhecido na história como Incidente de Honnō-ji. Naturalmente, as forças de Nobunaga não aceitaram o novo líder, então outro dos grandes generais de Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi, vence Mitsuhide em batalha, vingando seu mestre e sucedendo-o.

Oda Nobunaga

Pintura representando o Incidente de Honnō-ji, no canto direito podemos ver Nobunaga cometendo seppuku, e no centro Mitsuhide apontando sua lança para Nobunaga

(Pintura representando o Incidente de Honnō-ji.)

Apesar de não ter de fato unificado todo o Japão sob sua bandeira, Nobunaga é considerado o primeiro Unificador do Japão (seguido por Toyotomi Hideyoshi em segundo e Ieyasu Tokugawa em terceiro), pois no momento que foi traído e assassinado, não existiam mais Daimyos que pudessem fazer frente a ele tanto militar quanto politicamente.

Oda Nobunaga

em amarelo os territórios conquistados por Oda Nobunaga.

Agora que terminamos a parte histórica e entendemos quem foi Oda Nobunaga e por que ele é uma figura tão importante e recorrente na cultura japonesa, vamos ver sua representação nos animes.

Nobunaga é representado em diversos animes, alguns como protagonista, outros como um personagem central. Seja como for, ele está sempre presente, desde obras que se passam no período em que ele viveu a obras completamente ficcionais que se passam em diferentes mundos e tempos.

Como exemplos ficcionais temos Nobunaga the Fool e Nobunagun, ambos focados em alguma face do grande Daimyo. No caso, em Nobunaga The Fool é o comportamento excêntrico que o fez ser chamado de tolo quando jovem, junto de seu poder de liderança, e em Nobunagun, a sua paixão pelas armas de fogo.

Já nos que retratam seu período (mesmo que normalmente de maneira completamente exagerada), temos os animes do tipo Sengoku, como Sengoku Musou e Sengoku Kitan Youtouden. Um dos exemplos mais recentes e de maior sucesso com uma aparição de Oda nas telas foi o anime Drifters, onde Oda compõe parte do trio de protagonistas, atuando secretamente como líder do grupo e estrategista. Oda, com a ajuda do conde Saint-Germain, arquiteta todo o plano político-militar para o domínio de Orte (principal império do mundo de Drifters) e a resistência ao Rei Negro, reutilizando várias estratégias realmente utilizadas no Japão feudal e explicando todas as vezes onde e por que ele fez uso de tal estratégia. Além de reproduzir o caráter de gênio militar, em Drifters temos vários exemplos do comportamento abstrato de Oda, que normalmente servem para dar um tom de comédia ao anime, o que também aumenta consideravelmente o impacto de quando personagem muda seu modo para a posição de um verdadeiro e sério líder.

 

Bom, minna, espero que tenham gostado, então, por favor, deixem nos comentários (ou mandem e-mails, códigos Morse, sinais de fumaça, tudo é valido) se gostaram da ideia e que outros temas ou personagens vocês gostariam de ver por aqui.

Valeu gente e até a próxima.

 

Referências bibliográficas:

MASON, R. H. P.; CAIGER, J. G. A History of Japan: revised edition. [S.L.]: Tuttle Publishing, 1997.

YAMASHIRO, José. Pequena História do Japão. 2 ed. São Paulo: Herder, 1964.

HENSHALL, G., Kenneth. A History of Japan: from stone age to superpower. 2 ed. New York: palgrave macmillan, 2004.

 

Comente

Sobre volkk7

volkk7
Nerd veterano com profundos conhecimentos em Star Wars, assíduo leitor de mangas, maratonista de animes, historiador, professor, gamer nas horas vagas e ainda esperando meu parceiro digimon....

3 Freaks estão discutindo o assunto. Participe Tambem.

  1. Eu gostei do texto, ficou bem resumido e fácil de entender, podem andar mais

Grita Aqui!

Or

O seu Email não será publicado.Campos Obrigatorios estão marcados. *

*