Especial Departamento Editorial: Ricky Aguiar

Olá gente, vou dar início a brincadeira! O integrante do qual vou falar neste especial é o Ricky Aguiar, espero agradar vocês.

Ricky Aguiar abre seus olhos após o grande clarão. Ele estava atordoado e com a visão embaraçada. Conforme sua vista foi voltando ao normal, ele começou a tentar identificar a situação. Olhando para os lados, ele percebeu estar em uma floresta. Confuso, ele tenta coçar os olhos, mas notou que seus braços não alcançavam eles. Olhou para suas mãos… E percebeu que elas estavam minúsculas e amarelas, lembrando mais patas. Ao olhar para frente, ele vê algo que parecia uma lagarta gigante na sua frente. Desnorteado, seu pensamento é interrompido por um grito:

-PIKACHU, ATAQUE!
-Mas o que?

Ricky tenta engolir a situação, mas não consegue.

-Mas que diabos…? – Diz Ricky para si mesmo.
-MEU DEUS! MEU PIKACHU FALOU!!! – Diz o rapaz atrás dele.
-Hã… Erm… Pika? –Tentou disfarçar Ricky, percebendo também que a lagarta era um Caterpie.
-Mas ein? Será que foi impressão minha? E eu pensando que finalmente poderia sair da minha situação de pobreza e poderia alimentar minha família, meus irmãos mais novos…
-Mas cara, em Pokémon ninguém passa fome, a comida é infinita e o governo dá dinheiro pra todo mundo…
-Isso é só no anime, e só uns poucos sortudos conseguem papel de figurante para ganhar uma graninha… Na vida real a verdade é outra… – Disse o treinador. Após a fala dele, Ricky percebeu que as roupas dele eram realmente esfarrapadas. – Olha ali do lado pra você ver.

Logo em seguida, o treinador apontou um lado qualquér (nesse momento o Caterpie já tinha ido embora).

-MEU DEUS! –exclamou Ricky.

Um Pidgeot estava comendo uma Arbok. Literalmente. Ela estava dividida em dois, e o Pidgeot rasgava sua pele e sua carne com entusiasmo.

-Mas sim, voltamos aonde estávamos… -Disse o treinador. – Você é realmente um Pokémon falante… Eu posso te vender no mercado negro por uma fortuna! Você nunca foi bom em batalhas mesmo… Mas porque você só começou a falar agora?
-Espere, isso é um engano! –Disse Ricky, Gaguejando. –Eu sou um humano, e, e…
-Relaxe, o máximo que pode acontecer é você acabar nas mãos de um pokemonófilo imortal com aparência de garoto de 10 anos para te fazer de mocreia… Agora, volte para sua Pokébola!

O treinador pega a Pokébola pendurada no seu cinto (sabe-se lá com o que, vai entender a física de Pokémon…). Em seguida, um feixe saiu da Pokébola e foi em direção ao Ricky, que pulou para o lado para desviar. Ricky começa a correr (ou tentar, ele não estava acostumado com aquele corpo) Até perceber que é um Pokémon e pode contra-atacar. Então ele virou para o treinador, tentou pensar em faíscas, e deu certo, suas bochechas começaram a faiscar. Porém, algo deu errado, as faíscas ficaram volumosas e começaram a queimar o corpo de Ricky.

-Mas por que… –Disse Ricky, enquanto tentava se recompor.

Ricky tentou imaginar porque ele se machucou com o próprio ataque, até chegar a uma conclusão.

– EU SOU UM PICHU!!! –Gritou Ricky, indignado.
-Pichu? Eu jurava que era um Pikachu pigmeu!
-Eu mereço…
-Mas agora você não tem como fugir… Vem com o papai!
-Por favor, não! Eu imploro!

Quando tudo indicava que Ricky seria capturado, eis que surge uma… Erm… Chamativa figura.

– Deixe-o em paz! –Disse o vulto.

Em um segundo, o convidado surpresa apareceu como um passe de mágica entre o treinador e Ricky.

-Jin? Porque você tá com essa roupinha idêntica ao Link, só que rosa bebê? –Perguntou Ricky, obviamente curioso e assustado.
-Os detalhes não importam! Vamos sair daqui! –Exclamou Jin, enquanto batia o pé no chão, fazendo uma fumaça subir e fazendo também ele e o Ricky desaparecerem.

Então, Jin e Ricky se materializaram em uma cidade próxima.

-Ufa, nos safamos… –Disse Jin.
-Mas sério, Jin –Falou Ricky, fazendo uma pequena pausa para respirar. –Qual é a dessa roupa?
-É o meu pijama! Eu me perdi em casa e não estava achando meu guarda-roupa, ai tive que sair com ele mesmo! O que eu posso fazer? –Disse Jin.
-Tá, deixando isso de lado, o que é tudo isso? Porque eu sou um rato amarelo?
-Bom, você está em um mundo paralelo criado pelo poder do THE BOSS, e eu estou aqui para te ajudar!
-Sério? E como você vai fazer isso?
-Vou te explicar para onde você tem que ir! –Disse Jin, aparentemente entusiasmado. –Tá vendo aquela direção? Vai reto, depois vira a esquerda, depois vira na esquina e depois vai para cima, e você vai chegar ao seu destino!
-Mas Jin, você tá apontando pro mar…
-Erm… Bem… Olha! Aquele treinador estranho voltou!
-Onde!?

Então, Ricky olhou para os lados e para trás tentando encontrar o garoto que quase o deixou em apuros. Quando olhou para frente de novo, Jin já tinha sumido.

-Que ótima ajuda…

Caminhando pela cidade e sem saber o que fazer, ele de repente é levantado por uma senhora com um visual de madame. Ela começou a apertar Ricky, que estava sentindo falta de ar devido ao forte perfume que ela usava. Tentando se recuperar, ele olhou para rosto da senhora, mas logo desviou o olhar, pois visualizou um bigode nada discreto no rosto da cidadã.

-Que bonitinho! Você está perdido, seu fofo? –Disse a senhora, apertando ainda mais ele. – Vou te levar pra casa, te dar comida e pelo lavado!

“Tenho que tentar disfarçar, se não posso me meter em apuros de novo”, pensou Ricky.

-Pikachu! –Grunhiu Ricky.

-Um Pichu falando Pikachu?
-Droga, esqueci que sou um… Erm… E ai tia, tudo beleza?
-…
-…
-AHHH! É UM PICHU POSSUÍDO! VOCÊ NUNCA VAI ME PEGAR, SATANÁS! NUNCA!

Logo em seguida, a mulher arremessou nosso herói como se ele fosse uma bola de beisebol e saiu correndo na direção oposta. Ricky voou em direção a um Centro Pokémon das redondezas, batendo de cara com a janela do local e quebrando ela. Ele aterrissou em cima da bancada do Centro, na frente da Enfermeira Joy.

-Aquela mulher tem certeza que o satanás sou eu!?
O que o Ricky não percebeu é que a Enfermeira Joy estava olhando para ele enquanto ele falava.
-Erm… Pichu? –Disse Ricky, tentando disfarçar.
-Essa voz… Ricky? –Falou a enfermeira.
-Hã? Perai… Essa voz…. Drih!?
-Sou eu mesma! –Respondeu Drih. –Mas… Como você virou um Pokémon?
-Não faço a mínima ideia! –Respondeu Ricky. – Só sei que isso é um universo paralelo… Como você veio parar aqui?
-Eu? Ah, isso é um estágio da minha faculdade! Eu trabalho como enfermeira Joy e nos momentos vagos eu posso estudar anatomia pokemônica! É muito interessante!
-Mas como você veio parar aqui? É uma realidade paralela!
-Ah, o THE BOSS é dono da minha faculdade também, não sabia? E como ele queria lucrar mais, ele criou esse universo paralelo apenas para criar uma nova matéria nas faculdades envolvendo Pokémons!
-Meu deus, estou com cada vez mais medo do chefe que tenho… Mas Perai… Se você chegou aqui, você sabe como sair???
-Mas é claro!
-E como é?
-Olha ali, ó! –Disse Drih, apontando para uma direção.
Simplismente tinha um portal de todo tamanho no meio da sala. Ricky tentou realizar um facepalm, mas como seus braços eram muito curtos, desistiu e siplesmente bateu com a cabeça no balcão mesmo.
-Mas, perai… Está cheio de gente aqui nesse centro! Ninguém liga para um portal tão grande no meio da sala? –Disse Ricky.
-Claro que não, bobo! São NPCs!
-Mas perai… Se são NPCs, como a mulher bigoduda e o treinador interagiram comigo?
-Não sei do que você está falando, mas provavelmente é trollagem do THE BOSS. De qualquer forma, é só passar por esse portal que você volta!
-Obrigado, Drih, não sei como te agradecer!
-De nada!

Então, Ricky entrou no portal. Depois de um clarão, ele apareceu novamente na sala do Departamento Editorial do Anime Freak Show. Para sua sorte, seu corpo voltou a normalidade também.

-zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz… –Roncou Seiji.
-VEJO QUE RETORNOU –Disse uma voz abafada.
-THE BOSS… Precisava pegar tão pesado comigo? –Choramingou Ricky.
-ESTÁ RECLAMANDO DO QUE? EU PODERIA TER COLOCADA UMA JINX TRAVESTI ALI PARA TE PERSEGUIR, ALÉM DE…
-Não, por favor, chega!
-AGORA VOLTE A TRABALHAR, ANTES QUE EU TE MANDE PRA LÁ DE NOVO!
-Ok, ok, estou indo, estou indo… Ah, como estou morrendo de cansaço… Como eu queria não ter quebrado a cafeteira…
-O QUE!?
-Não foi nada, pelo amor de deus, não foi nada!!!
-CAPIVARAS, LEVEM-NO!
-Não, por favor, NÃÃÃÃO!
-AGORA VAMOS VER COMO SEUS COMPANHEIROS SE SAEM…

Fim

Janjão~~

Comentários:

-Não estou acostumado a fazer comédia, nunca fui muito bom nisso… Me digam o que acharam!

-Como decidimos muito em cima da hora o que fazer e eu fui escolhido para ser o primeiro, tive um pouco mais de um dia pra fazer esse texto… No momento em que digito isso, estou virando a noite para terminar a tempo, já são três horas da manhã e tenho aula as sete, sendo que não posso faltar de jeito nenhum. Estou quase batendo a cabeça no teclado de tanto sono… Ainda bem que eu gosto muito disso aqui, se não estaria muito estressado. Um café agora cairia bem. Maldito Ricky, por que quebrou a cafeteira? T_T

-Estou ansioso para ver o que os outros escreveram! Aguardo os próximos dias!

Comente

Sobre Janjão

Janjão
Estudante de psicologia, amante de cultura pop japonesa no geral e redator do Anime Freak Show nas (muitas) horas vagas.

14 Freaks estão discutindo o assunto. Participe Tambem.

  1. muito bom! ri demais!!!

Grita Aqui!

Or

O seu Email não será publicado.Campos Obrigatorios estão marcados. *

*