Ultimas Noticias

J-Way – Xintoísmo, o caminho dos Deuses.

Yo minna! Xintoísmo

Hoje vou falar um pouco sobre uma das principais características do povo japonês: a espiritualidade.

A religião tradicional do Japão é o Xintoísmo, apesar de muitos confundirem e acharem que o Budismo é a principal. Mas isso não está de todo errado e irei explicar um pouco mais à frente.

KAMI

XintoísmoO Xintoísmo tem como base os “Kamis” externos e internos (Ujigami e Hitogami), que são espíritos que regem a estrutura dessa religião. O Ujigami preza pela coesão e continuidade de papéis e padrões que já foram estabelecidos enquanto que o Hitogami preza pela inovação, novas crenças e novos pensamentos. A palavra “Kami” é geralmente traduzida com “Deus” ou “Divindade”, porém ela tem um conceito maior, uma vez que Kamis podem ser também forças vitais ou espíritos da natureza.

Kamis não são onipotentes nem oniscientes, tem poderes limitados, nem todos são bonzinhos, alguns são relacionados a determinados lugares, processos da natureza, fenômenos atmosféricos e até existem alguns que são associados à vida humana como, por exemplo, vestuário e transportes.

Todos esses Kamis são divididos em dois grupos: os Amatsukami, que habitam os céus e os Kunitsukami, que habitam na terra. Os Kamis do primeiro grupo mandam influências positivas para a terra enquanto que os do segundo grupo as mantêm por aqui, e dentre todos os Kamis, a mais importante e conhecida é Amaterasu, a Deusa do Sol.

XINTOÍSMO + BUDISMO

XintoísmoComo disse anteriormente o Xintoísmo é a religião tradicional do Japão, porém no século VI o Budismo foi introduzido em terras nipônicas e isso trouxe muitas conseqüências. Vindo da Coréia, o Budismo mesmo tento sofrido uma resistência inicial acabou por se tornar a base da hegemonia do poder imperial. Com isso, o Xintoísmo perdeu muito espaço, mas mesmo assim não desapareceu por completo. Nos séculos XVI – XVII, uma onda de nacionalismo começou a tomar conta do Japão, tirando o foco de tudo o que era estrangeiro, com isso o Budismo foi colocado em segundo plano e o Xintoísmo voltou a ter mais atenção, sendo aclamada como a religião verdadeiramente japonesa na era Meiji.

Apesar dessa “disputa”, nos dias atuais as duas religiões andam lado a lado no cotidiano do povo japonês, com seus rituais sendo utilizados de acordo com a ocasião. Por exemplo, para rituais de casamento, nascimentos e celebrações à vida o Xintoísmo é mais utilizado, enquanto que para eventos fúnebres são feitos os rituais budistas. Outra característica interessante do Xintoísmo é que ela não pretender converter ninguém, portanto sua expansão para fora da ilha se deve aos descendentes de japoneses espalhados pelo mundo.

 

O PODER DA NATUREZA

XintoísmoA natureza no Xintoísmo tem um papel fundamental, pois ela nos fornece alimento, paz de espírito e recursos naturais. Esse reconhecimento faz com que a natureza seja tratada com muito respeito e gratidão por todos aqueles que seguem o Xintoísmo como religião, tendo com ela uma coexistência pacífica.

Muitos dos Kamis estão relacionados à natureza, portanto, ela é tratada com um caráter sagrado e isso faz com que os Xintoístas não interfiram com ela sem necessidade vital. No caso da necessidade de utilizar uma grande quantidade de recursos naturais, no mínimo um templo dedicado a natureza deve ser construído naquele lugar para “compensar” a perda.

Outra coisa considerada sagrada no Xintoísmo são as montanhas. Elas não são divindades, mas servem como a morada deles. As montanhas são tão respeitadas que são poucas pessoas no Japão que praticam alpinismo, mesmo tendo várias delas por lá.

OS SANTUÁRIOS

XintoísmoOs santuários Xintoístas estão espalhados por todo o Japão e eles são construídos devido aos mais diversos motivos. Lugares com acontecimentos históricos, fenômenos naturais, revelações em sonhos, ou mesmo por necessidade, recebem esses locais para que os praticantes do Xintoísmo tenham um local que os permitam entrar em contato com os Kamis.

Uma vez escolhido o local, uma série de rituais é realizada para a purificação do mesmo e para convidar o Kami a vir habitar esse lugar. Caso se tenha a necessidade de mudar o santuário para outro local, novamente são feitos rituais com a intenção inversa, pedindo para que o Kami gentilmente retire-se dali.

Existem basicamente três grandes tipos de santuários:

– Os de dimensão local, que são pequenos santuários localizados em aldeias e que servem para a comunidade se comunicar com a divindade local;

– Santuários de tipo específico, são aqueles que são procurados por motivos determinados, como sorte no amor, nos estudos ou negócios e se situam por todo o Japão;

– Santuários Nacionais, são aqueles que recebem milhões de pessoas por ano, sendo que o mais importante é o Santuário de Ise, em honra da Deusa Amaterasu.

XintoísmoOs templos Xintoístas podem assumir diversas formas e tamanhos, porém algumas características são partilhadas entre eles: os Toriis, que são aqueles portais característicos formados por dois portes verticais e duas traves horizontais, um logo no começo do caminho e outros durante o mesmo, as pontes, uma vez que o passar das águas por baixo dela representa uma barreira contra as impurezas, jardins, lagos, lanternas e as importantes Sakakis, as árvores sagradas presentes em cada um dos santuários.

Os santuários Xintoístas também são palco para muitos festivais e festas, com o objetivo de celebrar sua fundação, uma data importante para sua história ou para homenagear a divindade local. As principais comemorações são:

– Reisai – Realizado uma ou duas vezes ao ano, o Reisai é a celebração de uma data festiva relacionada ao Kami ou ao templo, portanto, cada local tem sua própria comemoração. Durante essa festa é realizada a Shinko-sai, que significa “Festa da Procissão dos Deuses”, onde os Kamis são colocados em carros ou palanques e são carregados pela aldeia ou cidade. Esse ato tem o objetivo de entreter e divertir a divindade para que ela continue a proteger aquele local;

– Haru Matsuri – São os festivais de Primavera e acontecem em todos os santuários do Japão. No dia 17 de fevereiro, por exemplo, acontece o Toshigoi Matsuri, onde preces são feitas para solicitar boas colheitas e prosperidade para o Japão;

– Natsu Matsuri – São os festivais de Verão e tem como objetivo afastar as calamidades. Um dos mais famosos é o Festival de Gion, que acontece no Santuário de Yasaka em Kyoto no mês de julho.

– Aki Matsuri – São os festivais de Outono e servem para agradecer as colheitas que foram conseguidas. No dia 17 de outubro, no Santuário de Ise, acontece o Kanname-sai (Cerimônia da Prova), na qual os primeiros grãos da colheita de cereais são oferecidos à Deusa Amaterasu.

XintoísmoBom, por enquanto é isso pessoas.

O que trouxe aqui é apenas uma pequena parte do Xintoísmo que serve para se ter uma idéia geral da religião dos japoneses. Espero que não tenha ficado muito chato de ler, mas creio que para aqueles que se interessam pela cultura japonesa esse é um assunto bem interessante.

No mais, fiquem à vontade para comentar e dar sugestões! Sempre é bom!

Itekimasu!

 Xintoísmo

 Xintoísmo

 Xintoísmo

Comente

Sobre Raito

Raito
Podcaster e editor de áudio, gamer casual, viciado em tecnologia, animes, mangás e cultura japonesa em geral. Gêneros preferidos são comédia, suspense e ação. Excluiu o Shoujo água com açúcar de sua vida e hoje é uma pessoa mais feliz.

4 Freaks estão discutindo o assunto. Participe Tambem.

  1. Muito bom, deu pra conhecer melhor nossos amigos orientais, entender as religiões faz parte dessa proximidade que procuramos com outras culturas, parabéns!

Grita Aqui!

Or

O seu Email não será publicado.Campos Obrigatorios estão marcados. *

*