Review: Axis Powers Hetalia

Yo, minna-san! Hoje eu vim apresentar a vocês uma série… hum, curiosa. Curiosa? Sim, acho que essa é a primeira palavra que podemos usar para definir Axis Powers Hetalia, que surgiu como um webmangá de Hidekaz Himaruya, em princípio de 2006, como uma oneshot no site Kitayume. No mesmo ano, ela se tornou uma série completa e, depois disso, começou a atingir outras mídias, sendo adaptada para mangá impresso em 2008, com três volumes (o primeiro foi publicado em março de 2008, o segundo em dezembro de 2008, e o terceiro apenas em maio de 2010).

O anime, por sua vez, estreou em 24 de maio de 2009, contando com três temporadas completas, estando a quarta em exibição atualmente. Ele é dirigido por Bob Shirohata (Gravitation) e a animação é realizada pelo estúdio Dent. O interessante é que, originalmente, a série deveria ter estreado no canal Kids Station, mas a exibição foi cancelada (mais detalhes abaixo) e atualmente o anime é exibido para celulares e via Internet.

O que eu posso dizer sobre Hetalia? Não é uma história inocente, de jeito nenhum. É uma história ácida e polêmica, que já andou causando barulho pelo mundo. Mas, para explicar isso melhor, antes vamos apresentar a história e seus personagens… e explicar o que há de tão curioso nela.

A HISTÓRIA E SEUS PERSONAGENS

A melhor forma de definir a história de APH é… a história do mundo. Exatamente. Basicamente, o que temos aqui são personificações muito – mas MUITO mesmo – estereotipadas de países do mundo. Assim, as relações entre os países (guerras, alianças, etc) são mostradas como relações humanas. Os países são retratados como personagens bishounen, e a história se foca no período entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial.

Até agora, Hetalia tem em torno de 40 personagens, sendo mais centrada em oito deles.

O Eixo

Itália Veneziano: é o protagonista. Infantil, expansivo, ingênuo, descuidado e covarde, é descrito como o neto do Império Romano (que faz algumas aparições durante a série). É sempre o primeiro a fugir das batalhas e tem um fraco por mulheres bonitas e massas (Paaaaaaaastaaaaaa!!!! >u<). Seu método de “defesa” é sempre ter uma bandeira branca em mãos para se render e fugir das batalhas, ou se esconder atrás do Alemanha. Tem um irmão, Itália Romano, tão covarde quanto ele, mas muito mais grosso e mal-educado. Sua infância (Chibitalia) e sua relação com o Sacro Império Romano Germânico (Alemanha, talvez?) aparecem em arcos próprios durante o anime.

Alemanha: metódico, sistemático e muito sério, o que o fez ser completamente inexperiente com qualquer tipo de relacionamento. É o oposto completo do Itália e acaba sendo “babá” dele quase o tempo todo. Apesar de tudo, os dois são grandes amigos. Adora cerveja e batatas, gosta de preparar doces e é maníaco por limpeza.

Japão: silencioso, reservado e também metódico. Muitas vezes, ele não entende muito a cultura ocidental, apesar de se esforçar para tentar compreendê-la. Por um longo tempo, foi um hikikomori (socialmente isolado, o que representa o longo tempo de isolamento do Japão em relação ao ocidente), e demonstra uma certa veiazinha otaku em alguns momentos (por exemplo, quando diz que prefere garotas 2D a 3D, ou quando aparece comprando uma Shounen Jump no dia de Ano Novo).

Além desses, outros países vinculados ao Eixo, aparecem também, como Áustria e Bulgária (que, por alguma razão, aparece espancando o Itália e dizendo que “algo na cara dele me dá vontade de bater nele”).

A Cúpula dos Aliados

América: energético e cabeça-dura, líder auto-proclamado dos Aliados. Sempre se considera o herói (apesar de quase nunca agir efetivamente, sempre mandando outros fazerem o trabalho sujo por ele), e nunca ouve as opiniões dos outros. Aparece frequentemente comendo hambúrgueres, e tem uma relação conturbada com o Inglaterra, que o criou. É irmão do Canadá, que é literalmente invisível para os outros.

Inglaterra: rabugento, cínico e facilmente irritável. É um cozinheiro terrível e vê criaturas sobrenaturais (“amigos imaginários”, como unicórnios e kappas). Sua característica física mais marcante são as sobrancelhas enormes. Além dos atritos com o América, também possui uma enorme e antiga rivalidade com o França.

França: é o romântico do grupo. Quase sempre está com uma rosa, e gosta muito de vinhos. Apesar de se proclamar o irmão mais velho de várias nações da Europa, é ridicularizado pela série de fracassos militares. Ele já deu investidas e indiretas sexuais em vários países, inclusive no Inglaterra (mesmo com a rivalidade, ele o pediu em casamento, em um dos episódios).

China: uma das nações mais velhas, visto como o irmão mais velho dos países asiáticos. Fã de pandas e da Hello Kitty, sempre termina suas frases dizendo “aru”. Valoriza a comida acima de tudo e é capaz de criar vilarejos em qualquer parte do mundo – qualquer parte MESMO. É frequentemente assediado pelo Rússia (vestido numa roupa de panda).

Rússia: apesar da expressão amistosa e inocente, é um dos personagens mais cruéis e assustadores, sendo temido por todos os outros países (exceto pelas suas irmãs, Ucrânia e Belarus – a primeira é uma tapada e a segunda é quase tão insana quanto ele, e tenta forçá-lo a todo custo a se casar com ela). Adora vodca e girassóis.

O ENREDO

Apesar da série manter um tema principal, os episódios são bastante independentes entre si. Existem arcos que descrevem algum fato histórico específico (como por exemplo “A limpeza do armário do América”, que mostra um pouco a relação entre América e Inglaterra, até a guerra de independência), e episódios soltos, sem qualquer cronologia. Além disso, em vários momentos é mostrada a história mais antiga dos países (Chibitalia, por exemplo, se passa na época do Sacro Império Romano Germânico).

A TRILHA SONORA

Há dois encerramentos: Marukaite Chikyuu (que contou com versões de vários países, mas a versão de Daisuke Namikawa (seiyuu do Itália) é a principal) e Hatafutte Parade, também cantada por Daisuke Namikawa. As duas (em todas as suas versões) são animadas e tem letras muito engraçadas, que tem muito a ver com o personagem que a está cantando.

POLÊMICAS, DEBOCHES, CURIOSIDADES:

O POR QUÊ ASSISTIR HETALIA.

Uma das coisas mais interessantes em APH são justamente as alfinetadas nos países. Muitos podem ver como falta de respeito mas, pessoalmente, considero uma crítica muito divertida e ácida ao modo de vida de alguns povos (como, por exemplo, a postura dos Estados Unidos (América) de se acharem “os líderes do mundo”). O principal deles é o próprio Italia, fraco e covarde. O próprio título da série (Hetalia é uma fusão entre duas palavras, “Hetare”, que significa “incompetente” e Itália) já diz isso. A forma como os fatos históricos são retratados e a crítica por trás deles é muito forte e eloquente. Além disso, são apresentadas também curiosidades sobre vários países ao longo da série.

O que muitos podem ver apenas como uma grande sátira, porém, já andou provocando discussões inflamadas e levou inclusive ao cancelamento da exibição do anime na TV japonesa. O motivo disso foi o personagem que representa a Coréia. Ele é descrito como o irmão mais novo mala-sem-alça dos países asiáticos e tem o costume de roubar as invenções dos outros e assumi-las para si. Quando foi divulgada a adaptação para anime, começou-se um abaixo-assinado que reuniu mais de 16 mil assinaturas na Coréia para que a série não fosse ao ar. Apesar de o canal nunca ter divulgado os reais motivos por trás do cancelamento, é muito provável que este tenha sido o principal. Detalhe: isso tudo aconteceu mesmo depois de ter sido divulgado que o Coréia não apareceria no anime. Um segundo abaixo-assinado foi feito, desta vez para proibir a publicação da série como um todo, mas não chegou a reunir nem 5 mil assinaturas. É interessante que isso reflete bem a relação conturbada entre Japão e Coréia. Outros países, como os Estados Unidos, não despertaram toda essa comoção (mesmo o América sendo um dos países mais ridicularizados da série, na minha opinião). Lá, o mangá está batendo recordes de vendas.

Então: por que assistir Hetalia, afinal? Porque, primeiramente, é um dos animes mais hilários que eu vi nos últimos tempos. Com episódios bem curtos, uma trilha sonora viciante (sério, é impossível não ficar cantarolando Marukaite Chikyuu depois de ver alguns episódios), personagens carismáticos à sua forma, situações absurdas e um humor ácido e cortante, a comédia de APH já vale por si só como motivo para assistir o anime.

Outro motivo: é uma série inteligente. A forma como a história do mundo é apresentada é genial e instigante. E, mesmo com toda a comédia, há momentos mais sérios e alguns fatos são retratados de uma forma que realmente leva à reflexão (um deles, por exemplo, foi um diálogo entre o Alemanha e o “fantasma” do Império Romano, em que o primeiro pergunta porque o outro desapareceu). E mesmo algumas das partes mais engraçadas tem esse poder: elas fazem rir, mas também fazem pensar e questionar. E, analisando bem, não é essa a forma mais correta de enxergar a história?

Enfim, considerações finais depois dessa review (que ficou gigantesca! ><): se você está procurando um anime divertido, politicamente incorreto e inteligente, Hetalia é uma ótima pedida. E, ao contrário do que muitos dizem: não, não é yaoi. Existem insinuações e piadinhas de todas as formas, mas nada que faça com que as pessoas alérgicas a yaoi não possam acompanhar. Além do mais, é excelente para aquelas épocas em que você não tem tempo para nada, porque os episódios são bem curtinhos.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

O anime está sendo legendado pelo fansubber Barazoku e está disponível em vários sites para download, como o Hinata-sou. O mangá foi licenciado pela NewPop e chegará ao Brasil, em formato original, em dezembro.

NOTAS DE RODAPÉ

(WTF? A review já está enorme e ela ainda quer colocar notas de rodapé? ><)

• Primeiramente, agradeço à Thata-chan, minha padawan da Kingdom Hearts Brasil – Fics, que me convenceu a ver Hetalia. É, eu tenho que admitir, não dava nada para APH, mas você estava certa! xD
• Obrigada também à Fer, que revisou o texto. ^^
• E obrigada, também, ao Seiji e ao Panda, que, cheios de paciência, ensinaram a essa pobre noob a usar o WordPress. Já disse que vocês são umas gracinhas? ^^
• Esse final está sendo reescrito, porque eu, como a grande noob que sou, consegui a façanha de terminar a review e desligar o PC sem salvar o final. Resultado: meia página perdida. =_= (*Doitsu, Doitsu… tasukete yooooooooooo!!! ><*)
• Créditos da imagem do banner a ~identityLOST (http://identitylost-noname.deviantart.com/).
• Muito obrigado a todos os que leram! ^^ E comentem, por favor! ^^
• E, só um extra… enquanto fuçava no DeviantArt atrás de imagens, achei uma que merece um espacinho aqui… xDDD

Comente

Sobre Anime Freak Show

Durante esses mais de 3 anos, muitas pessoas passaram pelo site, algumas não estão mais, mas suas postagens continuam aqui!

2 Freaks estão discutindo o assunto. Participe Tambem.

  1. Olá! Amei sua review! *¬*

    OBS: o certo é Studio Deen ^^
    Está estúdio Dent lah em cima.

    o/

Grita Aqui!

Or

O seu Email não será publicado.Campos Obrigatorios estão marcados. *

*