Review: It’s me Mario! – Parte 2

E ai galera aqui é o Cabeça pela segunda vez em um intervalo de uma semana (uhuu! \o/). Como eu disse na semana passada, hoje vou falar de Mario Kart 7. O também clássico jogo de corrida da Nintendo também veio com a finalidade de cravar o potencial do 3DS.

 

Mario Kart 7

   Como todos devem saber, Mario Kart é uma franquia da Nintendo que tem a seguinte premissa: os personagens da serie Mario disputando corridas de kart e ainda podem usar poderes que podem definir o resultado da corrida e que são adquiridos aleatoriamente durante a corrida. Para aqueles que nunca ouviram falar do jogo, pode parecer meio louco e caótico e o jogo é realmente louco e caótico, e é ai que está a graça desta franquia que se tornou o jogo com o segundo maior fator multiplayer da Nintendo (perdendo apenas para Pokémon, na minha opinião).

   Assim como no ultimo Mario Kart, existem 8 campeonatos, cada campeonato com 4 pistas. Lembrando que 4 destes campeonatos contem apenas pistas inéditas e os outros 4 tem pistas refeitas de outros Mario Karts. Uma coisa que está de volta e eu, particularmente, não gostei são as moedas douradas que podem ser coletadas durante as corridas, a razão pela qual as moedas devem ser coletadas eu vou citar mais a frente. Eu não gostei pelo seguinte: em um jogo que você tem que ficar sempre atento aos inimigos atirando poderes em sua direção, ficar atento em pegar as moedas pode ser uma tarefa meio complicada e pode diminuir um pouco a diversão. Logico que você não é obrigado a pegar as moedas, mas vocês verão mais a frente que é difícil ignorá-las.

MUITA NOVIDADE PARA POUCO REVIEW.

   Muitas novidades foram anunciadas para este game de Mario Kart, dentre os mais festejados estão: a inclusão de trechos aéreos e submersos, a possibilidade de personalização do kart e os novos poderes que foram incluídos.

NA TERRA, NO AR, NA AGUÁ E NO FOGO. OPS…NO FOGO AINDA NÃO.

   Os trechos aéreos e submersos foram introduzidos com finalidade de diversificar o jogo e também aumentar o fator estratégia, com relação à diversificação do jogo realmente a ideia funcionou, permitiu a criação de pistas mais criativas e mais divertidas. No entanto quando se diz respeito à estratégia, as mudanças não funcionaram tão bem assim. Os trechos aéreos funcionam da seguinte forma: após pegar impulso em uma determinada rampa, o kart automaticamente abre um aparato que permite ao veiculo se manter no ar por um tempo (uma asa-delta, um paraquedas, etc.), no ar você pode controlar o veiculo para os lados e pode controlar o ângulo do aparato para alterar a resistência do ar e assim determinar a velocidade da decida (pode parecer complicado, mas os controles aéreos são incrivelmente intuitivos). Estes trechos aéreos até permitem escolhas que influenciem no resultado da corrida, pois, além de escolher o aparato que lhe permite voar, você pode escolher o momento em que o kart deve aterrissar, mas os trechos aquáticos não permitem “escolhas” que podem influenciar no resultado da partida. Quando você faz o percurso aquático, as únicas mudanças são que uma pequena hélice aparece na traseira do kart e que por conta da agua, a velocidade do automóvel e a velocidade de queda após o pulo diminuem um pouco, nada que afete de alguma forma o resultado da corrida.

EU QUERO UM KART DISCRETO. JÁ SEI! VOU QUERER UM KART DE CACTO COM RODAS DE FLORES.

   A customização dos karts foi uma boa sacada da Nintendo, pelo fato de que com a customização é possível “montar” os personagens de acordo com o seu gosto, por exemplo, no Mario Kart anterior se você quisesse jogar com um kart pesado, com fácil manuseio e uma aceleração média existia um numero pequeno de personagens que conseguiam cobrir as especificações e na maioria das vezes o tipo de kart com o qual você quer jogar não bate com o personagem que mais gosta de jogar. Agora com a customização é possível combinar o tipo de kart com o personagem favorito e assim é possível jogar do jeito que você gosta com o personagem que você gosta, lembrando é claro que o personagem ainda influencia nos atributos, pois é logico que o Bowser é mais pesado que o Toad, então todos osveiculos com o Bowser serão mais pesados que os veiculos com o Toad. As partes que podem ser modificadas são: o chassi, as rodas e o aparato usado para voar. É aqui que entram as modas que eu citei anteriormente, para abrir as partes para customização é preciso coletar as malditas moedas, à medida que você coleta um determinado numero de moedas (numero que vai de 50 até 5000), uma parte aleatória é aberta pra ser utilizada. Mesmo com as inúmeras opções para a customização, eu senti falta dos karts específicos dos personagens (eu queria muito jogar com kart de ovo do Yoshi >_<), eu senti que os karts personalizados acabaram tornando os corredores mais genéricos do que se tivessem os karts específicos. Eu senti um pouco de dificuldade de comparar os itens, principalmente as rodas, pelo fato que os itens só podem ser vistos em uma espécie de lista rotativa sempre na mesma ordem. As motos presentes no Mario Kart do Wii não estão presentes neste game.

UM KART COM ASA DELTA E CAUDA DE TANOOKI? ISSO SIM É MARIO KART.

   Com relação aos novos poderes foram incluídos 3: Super Leaf, Fire Flower e o Lucky 7. A Super Leaf faz com que o kart ganhe a cauda de Tanooki que gira entorno do kart, lhe permitindo tanto certar os inimigos, quanto se proteger dos poderes que são direcionados a você (com exceção do maldito casco azul), este é um item que é muito útil e que eu gostei muito, por ser tanto um item ofensivo e defensivo ao mesmo tempo. A Fire Flower já é uma velha conhecida da série Mario, ela possibilita que os usuários atirem pequenas bolas de fogo nos adversários, este é outro item que já devia ter aparecido antes em Mario Kart. E por ultimo o confuso e caótico Lucky 7, item este que foi criado especialmente para este game, que faz com que 7 itens fiquem girando ao redor do seu kart e você pode utilizar todos eles, é só apertar botão que lança os poderes no momento em que o item desejado passe na frente do seu kart. Assim como tirar 3 setes no caça níquel, tirar o Lucky 7 é difícil (tá bom tirar 3 setes no caça níquel é muito mais difícil que conseguir o Lucky 7) e pode levar você da ultima para a primeira posição, se usado corretamente. Os 7 que são obtidos após ativar o 7 da sorte são: Banana, Green Shell, Red Shell, Mushroom, Blooper, Bob-omb e Star. Todos estes itens já são clássicos das corridas do encanador italiano.

LUIGI’S MANSION OU INTERLAGOS? EIS A QUESTÃO.

   Todas as pistas (tanto novas, quanto as clássicas) foram incrivelmente bem criadas tem todo o colorido e a alegria que estão sempre presentes no reino dos cogumelos (e nas florestas do Donkey Kong). As pistas estão muito detalhadas, ao ponto de ser praticamente impossível reparar em todos os detalhes durante a corrida, destaque para as pistas Maka Wuhu e Koopa Beach do Nintendo 64 que tem cenários belíssimos. A primeira no trecho final, em que você tem o maior período no ar e todas as pistas, e a segunda por se passar em uma ilha paradisíaca com uma linda praia. Outro ponto que eu gostaria de ressaltar é que existem duas corridas que fogem do esquema habitual, elas não têm laps (voltas), elas têm sectors (setores). Isso significa uma corrida que vai de um ponto ao outro do cenário sem repetição de trechos, então é mais difícil se acostumar com estas corridas, se você não estiver atento é possível que acabe terminando em uma colocação ruim. Os gráficos estão muito bonitos, só perdendo, no meu ver, para o Super Mario 3D Land. Eles estão bem polidos e com poucos serrilhados (defeito que existiam em razoável quantidade no Mario Kart do Nintendo DS).

O ANALÓGICO FAZ A SUA PARTE MAIS UMA VEZ.

   Em relação aos controles não há reclamação, eles são os mesmos da versão do irmão mais velho. O analógico se integrou aos controles de uma forma que parece que não poderia haver outro jeito de se jogar Mario Kart, ele facilita muito o controle do kart e proporciona maior precisão no momento das curvas e ajuda até no momento de mirar o casco verde. Uma novidade que eu deixei para citar para citar aqui é a possibilidade de controlar o kart usando o sensor de movimento e em uma visão de “primeira pessoa” (como se fosse o motorista). Eu gostei muito dessa visão, ela muda a experiência do game, é uma inovação que é muito bem vinda. Esta visão deixa o jogo mais difícil, pois diminui o seu campo de visão, muda sua noção de profundidade e é mais difícil de ver os inimigos chegando por trás. O único problema em usar este modo é que você fica parecendo um maluco enquanto joga, então este modo não é uma boa opção para se jogar fora de casa. Lembrando apenas que na visão em primeira pessoa é possível controlar o kart com o analógico, mas usando o controle de movimento, para mim, é mais divertido. Existe um problema, mas não é um problema do jogo e sim do console em si, o tamanho dos botões L e R. Estes botões são uns dos mais usados em Mario Kart, pois são responsáveis por lançar os poderes e por realizar o pulo que resulta no drift, e os botões são pequenos, fazendo com que seja sentido um desconforto muito grande após uma longa jogatina. Não sei se este é um problema exclusivo meu, mas acho que é pertinente citar isto aqui.

3DS: US$ 170. MARIO KART7: US$40. VER UM CASCO VINDO NA SUA DIREÇÃO EM 3D: NÃO TEM PREÇO

   Em Mario Kart 7 o efeito 3D é muito satisfatório. Ao contrario de SM3DL, que existem partes que só podem ser resolvidas com o 3D ligado, em Mario Kart 7 não existe nada que só seja possível realizar com o uso do 3D. Mas isso não que dizer que o efeito tridimensional não é interessante neste game, na câmera normal o uso do efeito é bem legal, principalmente nos momentos aéreos. Agora quando usado em conjunto com a câmera em primeira pessoa a história é outra. A impressão que se tem é de que um foi feito para funcionar em conjunto com o outro, eu acredito que esta seja a experiência máxima que o jogo pode proporcionar. Com está combinação até o chão fica mais bonito, a noção de profundidade fica muito legal, as os efeitos do sol na direção dos seus olhas fica bonita, realmente um trabalho de mestre da Big N. Mas não tente jogar com a primeira pessoa, o 3D ligado e a direção pelo sensor de movimento, pois o movimento pode fazer com que o 3D desfoque, resultando em momentos em que tudo ficará dobrado e isso é péssimo em jogos de ação ininterrupta como Mario Kart 7.

O VERDADEIRO DESAFIO ESTÁ NA INTERNET.

   Se me perguntassem qual a melhor parte de Mario Kart 7, eu diria sem titubear: “Multiplayer!” Sem sombra de duvidas é no cenário multiplayer que o game realmente brilha. As partidas locais com os amigos sempre são ápice da diversão em grupo, todas as partidas são imprevisíveis, não é só habilidade que conta em Mario Kart, concentração, reflexos e uma boa dose de sorte são necessários para uma vitória, afinal nem o melhor dos jogadores escapa do demoníaco casco azul. Toda a estrutura on-line por trás do jogo é a mais robusta já feita até hoje e me deixou com uma pontinha de esperança de que a Nintendo comece a se interessar e competir no cenário on-line também. Eu fiquei impressionado com o fato de que o jogo não apresenta nenhum tipo de atraso (lag) e lentidão nas partidas em que eu joguei, sendo muitas delas com pessoas do mundo todo. Esta estabilidade de estrutura eu nunca tinha visto nem em Pokémon, que era o jogo com a melhor estrutura on-line até hoje. Agora você pode criar os seus próprios campeonatos para disputar com os seus amigos, comparar resultados, entre outras coisas.

AS VEZES A NINTENDO TAMBÉM RODA NA BANANA.

   Mas como sempre, o jogo peca em alguns quesitos. Alguns deslizes já foram citados acima, mas quero comentar mais alguns. Primeiramente a “troca” de alguns personagens. Neste game não estão presente o Waluigi e o Dry Bones e eles foram trocados por personagens, que para mim, que não tem uma razão clara de estarem ali. Entre estes personagens estão: Honey Queen e Wiggler. Outro fator que incomodou foi o singleplayer. Não é que o single esteja ruim, mas comparado com o multiplayer, ele não ficou tão divertido. Não sei se eu senti isso pelo fato do multiplayer ser muito divertido e acabar ofuscando um pouco o modo single. Por ultimo o detalhe que eu achei o erro mais grave, um bug em uma corrida. Na pista Maka Wuhu ao encontrar um ponto no trajeto que não está cercado e usar um cogumelo vermelho (ele te dá um boost) para coar para fora da tela, após este suicídio movimento você será recolocado na pista só que em um ponto muito mais avançado do trajeto. Caso a minha explicação tenha ficado confusa, eu vou colocar aqui em baixo o vídeo que mostra como funciona a falha. Este glich (falha que pode ser explorada em beneficio do jogador) está sendo usado em partidas on-line, gerando uma partida injusta para aqueles que querem competir de séria. A Nintendo já anunciou que não vai corrigir este erro, realmente uma pena. Como todos podem ver são apenas alguns pequenos defeitos, que de forma alguma transformam Mario Kart 7 em um jogo ruim, mas são aspectos que eu não posso deixar de citar neste review.

ENTÃO DEVO COMPRAR MARIO KART 7 TAMBÉM?

   Sim, Mario Kart 7 é outro daqueles games que são indispensáveis na biblioteca do portador do 3ds. Mario Kart 7 era o jogo multiplayer que faltava no portátil da Big N, é um jogo divertidíssimo, daqueles que você gasta centenas de horas e nem liga. Poucos jogo conseguem reunir 8 amigos da forma como este game faz, é impossível prever o resultado das partidas e as risadas são garantidas. Logicamente este game tem os seus defeitos, mas estes defeitos não são suficientes para fazer com que você se arrependa da compra, são pequenos deslizes que sempre vão existir nos games. Algumas pessoas recalaram que a Nintendo poderia ter arriscado mais e ter trazido inovações mais “radicais”. Mas eu não acho a Big N deveria arriscar mais, não senti fata de algo diferente para melhorar a experiência do jogo ou deixa-lo mais divertido, acredito que a Nintendo acertou ao usar ideologia do “Em time que está ganhando não se mexe”. Enfim, Mario Kart 7 é um jogo de corrida excelente e além de ser divertido ao extremo, é um jogo que tem o potencial de ser unanimidade entre os portadores do 3ds.

Comentários:

-Primeiramente eu gostaria de dizer que estou muito feliz por ter trazido estes dois reviews pra vocês.

-Para aqueles que não gostam tanto de games, pode ficar tranquilos que eu vou dar uma pausa nos reviews de games e me focar mais em animes.

-Peço desculpas a todos que acham os reviews muito grandes, eu vou tentar não fazer textos extremamente grandes.

-Aqui vão as dicas para o meu próximo review: oque comida, desconto e lutas têm em comum? Essa está muito fácil.

-Querem criticar, elogiar, dar sugestões? Querem uma foto do Hiruma fazendo cosplay de Eyeshield 21 ? Então comentem!

Comente

Sobre Anime Freak Show

Durante esses mais de 3 anos, muitas pessoas passaram pelo site, algumas não estão mais, mas suas postagens continuam aqui!

8 Freaks estão discutindo o assunto. Participe Tambem.

  1. Opa, quero jogar online contra vcs tbm é só marcar ae

    • Beleza! Então ta marcado, um campeonato de Mario Kart 7 valendo um gashapon do Mugi. XD

      • Ae sim eu vi vantagem!!! XD

Grita Aqui!

Or

O seu Email não será publicado.Campos Obrigatorios estão marcados. *

*